Missão Empresarial em Israel

nº 126 – Março 2019

O Instituto Nacional do Plástico (INP) marcou presença na comitiva brasileira do presidente Jair Bolsonaro em Israel, que aconteceu dia 31 de março e resultou em cinco acordos e um memorando de entendimento. A representatividade do plástico nacional foi garantida por Carlos Moreira, consultor do Think Plastic Brazil, que inclusive reuniu-se com a alta gestão da Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), para apresentar os resultados obtidos pelo programa nos últimos 15 anos. Um desses encontros foi com Dan Friedlander, gerente de exportação de indústrias e serviços da Apex-Brasil, que corroborou o apoio da entidade ao Setor de Plásticos Transformados.

“Israel mostra-se um bom mercado para empresas de construção civil, especialmente pelo reforço buscado pelas construtoras para que prédios estejam seguros contra terremotos e outros eventos geológicos e ambientais. Assim como foi vislumbrando um ótimo mercado para as empresas de Agrobusiness, dado que o país é um grande exportador de produtos frescos apesar das dificuldades do solo na região, motivo pelo qual necessita das diferentes soluções plásticas na agricultura que as empresas apoiadas pelo Think Plastic Brazil podem oferecer”, explicou Carlos Moreira.

Nesta missão Carlos Moreira também teve a oportunidade de reunir-se com a Câmara de Comércio e Indústria Israel – Brasil, buscando possibilidades de apoio ao Think Plastic Brazil em ações locais naquele país. Visitou também grandes lojas de Utilidades Domésticas (UD) e outras que possuem itens para construção civil, tais como Fox Home, Golf &CO, Zara Home, ACE, Home Center, Tambour e Negev.

Luciano Almeida, da Splack, especializada em produtos de embalagem para o setor farmacêutico, acompanhou o grupo de empresários do segmento na viagem e identificou oportunidades: “Estamos aqui a convite da Apex-Brasil e do programa Think Plastic Brazil e buscamos identificar oportunidades não somente de mercado para a companhia, mas também de colaborações que possam trazer benefícios ao Brasil”, disse ele em vídeo depoimento concedido ao Programa Think Plastic Brazil.

Clique aqui e veja as fotos do evento!

 

CNI: Questionário Impacto da cobrança do AFRMM no Drawback Isenção

Conforme informado pelas empresas exportadoras, em julho de 2018, a Receita Federal do Brasil (RFB) alterou o entendimento sobre a cobrança do AFRMM no Drawback Isenção, que antes era isento em duas modalidades de Drawback: Suspensão e Isenção, embora nenhuma nova norma que embasasse a mudança tenha sido publicada.

Diante desse novo cenário, a CNI está avaliando as possíveis ações de defesa de interesses e para isso, gostaria de entender o impacto causado pela mudança de interpretação da RFB quanto a cobrança do AFRMM no Drawback Isenção, através deste breve questionário de 5 perguntas.

Prazo para resposta: 12 de abril  de 2019 (informações sigilosas).

https://pt.surveymonkey.com/r/3GL3FCW

 

Acordo de Boas Práticas e Coerência Regulatória do Mercosul em vigor

O Acordo de Boas Práticas e Coerência Regulatória entrou em vigor no Brasil, no dia 14 de março. O documento foi assinado durante a Reunião da Cúpula do Mercosul, realizada em dezembro de 2018, no Uruguai.
Seu objetivo geral é reforçar e incentivar os órgãos reguladores dos Estados Partes a adotarem medidas de coerência regulatória, para impulsionar as boas práticas regulatórias e a acordar mecanismos de coerência regulatória, a fim de promover o estabelecimento de um ambiente regulatório que seja transparente e previsível tanto para os cidadãos quanto para os operadores econômicos.
Desta forma, os Estados Partes reforçarão e incentivarão a adoção de boas práticas regulatórias, a fim de facilitar o comércio de bens e serviços. Ressalta-se, que o Acordo prevê que as disposições apresentadas não afetarão os direitos dos Estados Partes nas suas estratégias de políticas públicas e nem nas suas prioridades regulatórias no âmbito e nos níveis de governo que considerem apropriados.

» Clique aqui para ler a íntegra do Acordo de Boas Práticas e Coerência Regulatória