Notícias

Cipatex: de pequena fábrica no interior de SP para grande exportadora de revestimento sintético

05_CipatexHá quase 50 anos, no interior de São Paulo, surgia uma pequena fábrica voltada apenas para a produção de carneira de chapéu (tira de couro) e produtos para encadernação de livros. Com produção própria e apenas um funcionário, a pequena empresa foi adquirindo conhecimento de mercado e se diversificando. Vinte e três anos depois de seu início, em Cerquilho (SP), já tinham um parque industrial de 100 mil metros quadrados. Hoje tem um Centro Tecnológico exclusivo, com a função de criar produtos e desenvolver novas tecnologias.

Um dos grandes trunfos da Cipatex, fruto de investimento em pesquisa, é a sua linha Corano, um produto plástico para revestimento de móveis que imita couro. “O Corano possui o ‘natural comfort’, acabamento de proteção em PU produzido exclusivamente pela empresa, deixando o produto ainda mais parecido com couro, trazendo mais conforto, resistência e suavidade”, explica Fabiano Bianchi, diretor comercial da Cipatex.

O acabamento em PU é uma inovação desenvolvida por eles em território nacional, mas boa parte dos novos desenvolvimentos é reflexo das prospecções no exterior. “A indústria brasileira precisa sempre buscar inovação e produtividade para abastecer o crescente mercado interno e externo”, diz Bianchi. “Mesmo com as dificuldades em se produzir no Brasil, a indústria nacional necessita buscar formas de competir em escala internacional e pensar de forma global, não se restringindo ao mercado local.”

Para aumentar a presença internacional, a Cipatex abriu um escritório e centro de distribuição em Miami (EUA) com uma estrutura local para atendimento e pronto abastecimento do mercado norte-americano. Também possui um centro de distribuição em Buenos Aires (Argentina), que atende a todo o mercado da América Latina. “Para conquistar mercados em outros países, é fundamental conhecer profundamente a cultura de negócios e as características técnicas de produto de cada região”, assinala Bianchi. Para quem exporta a mais de 20 países, ter essa estrutura é fundamental.

Fonte: Think Plastic Brazil