Notícias

Mercado canadense tem poder de compra e é bem interessante para o Brasil, pontua Antônio Conde, vice-presidente da CCBC

TPB201402_02Agosto de 1973. Antônio Conde estava em um encontro no Clube Harmonia, em São Paulo. Lá estavam reunidos diretores das três maiores empresas canadenses no Brasil na época (Alcan, Massey-Ferguson e Brascan) e muitos outros CEOs e diretores. O propósito era criar uma câmara de comércio que representasse as relações entre os dois países. Hoje, Conde é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil-Canadá, instalada há 40 anos no país. O empresário fala sobre um estreitamento ainda maior das relações comerciais entre os dois países para 2014 em diante, revelando otimismo para as exportações nacionais de plástico. Leia mais na entrevista do executivo a seguir:

Quanto representa para o Canadá a importação do plástico e qual é a sua situação de consumo?

As importações de plásticos do Canadá representam 3% da pauta de importações do país. Esta quantia equivale a aproximadamente US$14 bilhões de dólares americanos. Tradicionalmente o Canadá é um grande importador de plásticos do mundo, já que sua produção não atende à alta demanda existente no mercado interno.

Qual é a origem destas importações? E qual é a importância da aproximação do Brasil com o país para o setor?

Basicamente, as importações são de origem americana. O mercado canadense consumidor de plástico é pouquíssimo explorado pelo Brasil. Hoje em dia temos o setor exportando para quase todos os cantos do mundo, mas ainda não há muita visibilidade para o Canadá. Assim, entendo que um mercado tal qual o canadense, com tamanho poder de compra, seja interessante para que o setor possa expandir mais ainda.

Em março haverá uma missão para facilitar e promover encontros entre empresários dos dois países. Antes disso, em fevereiro, outro encontro preparatório já está agendado para melhorar o aproveitamento no dia do projeto. Qual é a maior contribuição que o curso preparatório traz ao empresário do setor?

 O curso preparatório vai apresentar algumas informações sobre a economia e o mercado canadense, dando subsídio para que as empresas possam negociar com mais propriedade, sabendo com quem estão falando.

Como a missão pretende aumentar as relações comerciais entre Brasil e Canadá?

Esse tipo de evento mostra ao canadense que nós temos um grande potencial produtivo e produtos de muita qualidade. Quando chegamos a um país com uma verdadeira missão, levando aproximadamente 50 empresários de um único setor, ou quando conseguimos reunir importadores canadenses dos mais variados tipos – desde representantes até redes com mais de 1400 lojas espalhadas pelo mundo -, nós mostramos ao Canadá e para o mundo o potencial que temos. Com certeza missões como esta abrem os olhos para outros setores também e servem de case de sucesso.

Quais atributos favorecem os negócios entre o Brasil e o Canadá?

Historicamente, as relações entre o Brasil e o Canadá são amigáveis. Os produtos brasileiros no Canadá são bem aceitos e a imagem do país é boa.

Qual é a típica característica da cultura canadense para fazer negócios?

O executivo canadense é muito direto. Se interessa pelo assunto e está à disposição para sentar e conversar. Ao mesmo tempo, caso não se interesse, descarta logo de cara.

 

Fonte: Think Plastic Brazil